A páscoa e o coração humano

Às vésperas da celebração da páscoa, época que deveria representar o início de uma nova vida, vislumbra-se o crescimento do império corporativo,  do consumismo, em que provavelmente os valores mais respeitados são aqueles pagos em moeda e não os próprios da virtude, moral e, muito menos, os religiosos. De fato, hoje se fala muito mais na compra de ovos de chocolate do que no sacrifício de Jesus e na redenção e perdão aos pecados por nós cometidos.

Parece que o coração humano (ou vamos ser honestos, cérebro humano) tem muito a ver com essa tática: valorizar coisas banais para não internalizar aquilo próprio, aquilo que pode fazê-lo sentir algo mais profundo… é o que chamaríamos de racionalização, pois, racionalizando, teoricamente, deixaríamos de sentir. É uma forma de autoproteção. O egoísmo desse coração humano é notório, pois é uma capa protetora contra toda e qualquer reflexão mais profunda, contra todo e qualquer sentimento que não se refira ao próprio ego. Mas até que ponto é correto racionalizar?

Observe-se o papel de um médico: muitas vezes, para tratar um paciente, ele precisa proceder a uma cirurgia, isso significa lesioná-lo, fazê-lo sangrar e sentir dores pós-cirúrgicas, pô-lo em risco de morrer na mesa de operação, porém ele se sujeita a isso, racionalizando que tal atitude será necessária para melhorar a condição de saúde desse paciente.

Depois de um tempo, torna-se um procedimento tão comum, que o médico consegue se distanciar completamente dessas ideias e nem consegue, em muitos casos, ver o paciente como pessoa diante de si. Desse modo, atinge-se outro extremo, aquele em que a racionalização banaliza tanto pessoas como seus sentimentos e passa-se a dar valor aquilo que não merece tanto.

Assim, ponderar entre valores como vida humana e interesse econômico que antes fariam pender obviamente para a vida humana, passam, no dia-a-dia, por uma valoração inversa em que o interesse econômico passa a se sobrepor. No que diz com a época que estamos vivendo, valora-se em demasia ovos de chocolate, em detrimento da reflexão sobre a ressurreição de Cristo e a proposta de uma nova vida, despojada de interesses egoísticos e voltada para a caridade e para o bem.

Se por um lado, racionalizar permite com que não nos sensibilizemos com coisas terríveis que podem se apresentar no nosso quotidiano, essa dessensibilização não pode chegar ao ponto de esquecermo-nos completamente de que lidamos com pessoas,  e que elas possuem sentimentos, dores e angústias que não poderiam ser ignorados.

É preciso, portanto, que se trate as pessoas com dignidade, com respeito e com compreensão, para isso, devemos nos livrar da carapaça, da autoproteção construída pela racionalização, e nos permitirmos sentir. Em palavras simples: é preciso ser gente, ser humano, mas isso não é nada fácil. É muito mais simples mostrar-se duro e insensível, do que compadecer-se e chorar com o sofrimento do outro. É muito mais simples distanciar-se dos problemas e pensar que nada daquilo se refere a você: “tanto faz se alguém está morrendo, tanto faz se alguém passa fome, não é problema meu”.

Jesus morreu por nossos pecados, Ele expiou por nós,  como um cordeiro sacrificado diante de Deus Pai, foi torturado, e, por nossa redenção, ressuscitou. Mas parece que o que mais nos importa é o preço do peixe,  quanto chocolate vamos comprar para nossos familiares, quanto chocolate iremos ganhar, como se chocolate fosse o verdadeiro símbolo da páscoa e não o cordeiro, o sangue, a vela, a cruz e o ovo.

Celebrar a páscoa é importante para nos recordarmos da vida que se perdeu e da vida nova que nos foi concedida, uma vida que se deveria celebrar e agradecer todos os dias, uma vida a ser valorizada,  uma vida que devemos permear com os exemplos de Cristo, Aquele que brigou com os comerciantes do templo e nos ensinou a amar-nos uns aos outros como Ele nos amou.

Desejo a todos uma Feliz Páscoa, cheia de sentimentos e reflexão!

Estrogonofe Diferente

Hoje resolvi fazer uma carne de um jeito diferente, mas acabou resultando em uma espécie de estrogonofe (sabe quando você quer inovar), pois nesse caso utilizei contra-filé,  shitake, tomates pelados e requeijão, o jeitão ficou de estrogonofe mesmo… O sabor, ficou um pouco diferente,  vale experimentar:

shitake

Ingredientes:

  • 400gr contra-filé em cubos;
  • 1/2 cebola picada;
  • 1/2 copo de requeijão;
  • 1/2 lata tomates pelados;
  • 2 colheres (sopa) de manteiga;
  • 1 embalagem de cogumelos shitake picados;
  • 1 caldo de carne;
  • sal a gosto.

Preparo:

Doure a cebola e o shitake na manteiga acrescente a carne e os tomates. Acrescente o caldo de carne  ao refogado, por fim os tomates o requeijão e, água o quanto baste para cozinhar a carne. Deixe ferver bastante, até que fique com consistência cremosa.

estrogonofe diferente

Dicas:

  • Pode ser servido com salada e faux arroz;
  • Podem ser utilizados outros temperos ao seu gosto.

Esta receita está adeguada às fases de Indução – Indução Extendida – PPC e Manutenção.

Boa sorte e Bom Apetite!!!

Escabeche de abobrinha

Esta receita é bastante saborosa, serve como antepasto ou salada e fica uma delícia.

Escabeche de abobrinha

Ingredientes:

  • 2 abobrinhas italianas (brancas ou verdes) com casca;
  • 3 dentes de alho picados;
  • 1/2 cebola picada;
  • 3 azeitonas picadas;
  • 4 colheres (sopa) de óleo de oliva extravirgem;
  • orégano a gosto;
  • 2 colheres (sopa) de vinagre branco;
  • sal;
  • cheiro verde picado.

Preparo:

Lave as abobrinhas e pique-as finamente (eu utilizei um processador estilo bate-pique, assim fiz um pouquinho de exercício para os braços, rs).  Refogue a cebola com uma colher de óleo, junte as abobrinhas e as azeitonas. Deixe soltar um pouquinho da água. Junte o vinagre branco, o cheiro verde e o sal. Desligue o fogo e regue com o restante do azeite de oliva.

Dicas:

  • Esta receita pode ser servida como salada ou antepasto com fatias de provolone desidratado no micro-ondas;
  • Você pode guardar em vidros de conserva por até 15 dias, sem vácuo ou 3 meses (com fechamento hermético a vácuo).

A receita pode ser indicada para todas as fases da Dieta dr. Atkins.

Boa sorte e bom apetite!!!

Bolo Mousse ou Bolo Trufado de Chocolate

Este bolo, tem sido uma das sobremesas de natal já há algum tempo na minha família.Vale dizer que  foi um sucesso tanto no lado do meu marido, com os familiareS do meu lado…

 

Bolo Trufado Mousse Chocolate2

A decoração chama muita atenção, mas o sabor, certamente não deixa nada a desejar. Principalmente quando se come o chocolate juntamente com as folhas de manjericão roxo que servem para ornamentar e também para temperar esta delícia.

Devo dizer porém, que esta receita não é propriamente uma invenção minha, mas sim uma adaptação que acabei fazendo a partir de uma receita de doce convencional. Portanto, só posso recomendá-la para as pessoas que já estão na fase de Manutenção, uma vez que não posso precisar com total exatidão a quantidade de carbos… Além disso, posso dizer que, quando eu comi, não saí da fase de cetose, isto porque não comi uma porção exagerada e também verifiquei por meio de tiras de teste.

Mas, como o Dr. Atkins mesmo observou, é possível, na fase de manutenção, uma vez, lá muito de vez em quando (isto é, de forma bastante esporádica mesmo) comer algo que contenha uma quantidade um pouco maior de carboidratos, sem que isso seja prejudicial à dieta. É por isso que foram criadas nos Estados Unidos, as indulgence bars, que ainda não estão disponíveis no Brasil, mas que são um alento para aqueles dias em que se “precisa” comer algo doce…

De todo modo, a pessoa também pode sempre voltar à fase de indução, para retomar a capacidade de cetose (queima de gordura e eliminação de cetonas pela urina).

Bem, já falei demais, não é? Vamos à receita.

Ingredientes:

Para a massa:

  • 200 gr de chocolate zero nestlé (a barra de 500gr foi lançada este ano, mas eu comprava várias barrinhas pequenas);
  • 500 gr de chocolate diet ou 80%;
  • 400 gr  de manteiga previamente derretida;
  • 3/4 xícara (chá) adoçante próprio para forno e fogão;
  • 10 ovos.

Para a calda:

  • 1 garrafa de vinho (750 ml) zero açúcar;
  • 1/2 xícara (chá) adoçante próprio para forno e fogão;
  • 10 cravos;
  • 2 ramas de canela;
  • 15 pimentas rosa (opcional);
  • cascas de limão siciliano
  • 3 folhas de manjericão roxo.
  • 1 colher (café) goma xantana dissolvida em água.

Para decorar:

  • amoras, morangos, cerejas, mirtilos, grãos de romã, framboesas e folhas de manjericão roxo.

Preparo:

Derreta os chocolates no micro-ondas ou em banho maria. Bata os ovos com o adoçante em uma batedeira, junte a manteiga previamente derretida ao chocolate e incorpore delicadamente aos ovos batidos. Unte forma de 22 cm de diâmetro (preferencialmente de fundo removível) e asse por 1h  a 160 graus em banho maria.

Para a calda: Coloque em uma panela o vinho, o adoçante e os temperos. Quando atingir fervura, junte a goma previamente diluída em meio copo de água (ou no suficiente para ter uma consistência de pasta). Mexa até obter a consistência desejada. Despeje sobre a torta e decore com as frutas frescas e o manjericão.

DICAS:

A goma xantana pode ser substituída por Agar-Agar, a consistência, contudo será de geleia.

Pectina possui carboidratos e existe discussões sobre a possibilidade ou não de ser utilizada para dar consistência…

Prove a mistura de chocolate com manjericão. É super diferente e saborosa.

Boa sorte e Bom apetite.

Bolachinhas de Abacate com Canela

Close bolachinhas abacate com canela

Esta combinação estranha, foi uma invenção feita por mim em um fim de tarde,  quando veio aquela vontade de comer uma bolachinha junto com o cafezinho… É algo rápido de preparar, mas que exige alguns cuidados peculiares.  As dicas de como eu preparei estas delícias estão descritas aqui no post, mas se houver alguma dúvida não hesitem em perguntar.

Ingredientes da “Massa”:

  • meio abacate maduro;
  • 3 colheres (sopa) adoçante próprio para forno e fogão;
  • 1 ovo;
  • 1 1/2 colher (sopa) de psyllium;
  • 1 colher (chá) essência de baunilha (ou do sabor de sua preferência);
  • 1 xícara (chá) aproximadamente de PIS (Proteína Isolada de Soja);
  • 1 colher de chá de fermento químico.

Ingredientes do Recheio:

  • 3 colheres (sopa) de manteiga sem sal;
  • 4 colheres (sopa) canela em pó;
  • 1 colher (chá) adoçante próprio para forno e fogão.

Preparo:

Em uma vasilha, amasse o abacate  e junte os demais ingredientes  deixando por último o fermento químico, tente  obter uma massa que possa ser modelada (se necessário é possível acrescentar um pouco mais de PIS para dar o ponto). Coloque-a em um saco plástico e leve à geladeira por um período de 10 a 15 minutos. Enquanto isso, prepare o recheio: misture os ingredientes formando uma pastinha.  Passado o tempo de descanso na geladeira, estique a massa até que fique com 0,5 cm mais ou menos. Para isso, utilize um rolo passsando-o sobre o saco plástico. Abra o saquinho e, deixando a massa ainda esticada sobre ele,   espalhe o recheio e, utilizando o mesmo saco plástico, enrole a massa como um rocambole. Se quiser deixe a massa descansar na geladeira por mais alguns minutos a fim de facilitar o corte. Corte em fatias de 0,5 cm e coloque para assar em um tabuleiro, durante 15-20 min, em forno pré-aquecido a temperatura de 180 graus.

bolachinhas de abacate com canela

Dicas:

  • Fica muito gostoso com essência de toffe ou caramelo.
  • Pode-se utilizar também raspas de limão e laranja para dar um toque diferente à massa.
  • Use um saquinho plástico para facilitar o manuseio da massa.
  • Não é necessário untar o tabuleiro, pois o recheio da bolachinha já contém gordura (manteiga).
  • Você pode optar por deixar essa bolachinha mais macia (deixando por 15 minutos no forno) ou um pouco mais crocante (deixando por 20 minutos ou, dependendo do seu forno, um pouquinho mais…)
  • Outra sugestão é salpicar um pouco de adoçante sobre as bolachinhas para deixá-las com um aspecto açucarado.

Rendimento: aproximadamente 12 bolachas.

Esta receita está adequada às fases de INDUÇÃO EXTENDIDA, PERDA DE PESO CONTINUADA E MANUTENÇÃO.

Boa sorte e bom Apetite!!!

Frango ao molho de Cogumelos

Esta é uma receita bastante fácil e saborosa, tenho certeza que vai agradar a vários paladares. Nela foram utilizados cogumelos de duas variedades: cogumelos paris e  portobello.  No entanto, é possível utilizar apenas um tipo.

 Cogumelos paris-portobello

Outra coisa interessante é que nesta receita  pode-se fazer o reaproveitamento das sobras de um frango assado, desfiando-o ou cortando-o em pedaços (foi isso o que eu fiz desta vez), ou ainda utilizar outra ave, como chester ou peru… (fica muito bom!).

Vamos então à nossa receita:

Ingredientes:

  • 200 gr. de cogumelos paris (uma bandeja);
  • 200 gr. de cogumelos portobello;
  • pedaços de frango previamente cozido, assado ou frito – sem pele (aproximadamente 400gr);
  • 1 copo de requeijão;
  • 50 gr. ou 2 colheres (sopa) bem cheias de manteiga;
  • 1 tablete de caldo de galinha;
  • sal
  • queijo parmesão ralado (para gratinar);
  • alecrim ou temperos de sua preferência.

Preparo:

Ajuste em uma travessa própria para ir ao forno, os pedaços de frango, preferencialmente sem ossos e sem pele. Pique os cogumelos em fatias misturando as duas variedades, e leve metade deles ao fogo com a metade da manteiga e o caldo de galinha para dourar. Quando estiverem bem dourados retire-os da panela, bata em um liquidificador ou com um mixer e reserve o creme obtido. Na mesma panela  frite o restante dos cogumelos no restante da manteiga até obter uma cor dourada e junte o requeijão, os temperos e o creme que havia sido reservado. Você terá aí um creme de cogumelos que servirá de molho para o frango. Coloque este molho sobre os pedaços de frango,  acrescente queijo parmesão e leve ao forno a 210 graus por 20 minutos. Se quiser gratinar será necessário ficar mais tempo no forno ou utilizar a função grill. Para decorar utilizei um raminho de alecrim.

Frango com cogumelos

FASES INDICADAS: INDUÇÃO, INDUÇÃO EXTENDIDA, PERDA DE PESO CONTINUADA E MANUTENÇÃO

Dicas:

Esta receita pode ser servida junto com uma salada de folhas e  com a receita de Faux Arroz(arroz falso) Atkins – feita com couve-flor ralada ou processada.

O molho de cogumelos pode também ser utilizado como sopa, adicionando-se um pouco de água e creme de leite, de acordo com a consistência que mais lhe agradar.

Boa sorte e bom apetite!!!

Cozinha Low Carb e um novo modo de Viver

Em 2006 comecei a ler: A Nova Dieta Revolucionária do Dr. Atkins. Já havia lido reportagens na revista Veja e em outros periódicos e confesso ter ficado encantada com a ideia, pois desde pequena, meu pai brincava dizendo que quando eu me casasse e ele fosse fazer uma visita à minha casa para almoçar, só iria comer carne e acabaria tendo que visitar as minhas outras irmãs para comer outros tipos de comida e terminar sua refeição.

Tudo bem. Eu sei que a dieta não é só carne!!!! Calma aí. Mas o negócio é que eu, naquela época, só comia carne, o que, hoje eu sei, não é também o melhor dos negócios… Até porque o preço da carne não é o mais convidativo do mundo, pelo contrário, sabemos que as massas, batatas e demais alimentos com maior concentração de carboidratos são muito mais baratos. Outro fator é que além de carne eu comia muitas porcarias (doces, doces, doces… e doces…)

(reprodução da capa do livro)

(reprodução da capa do livro)

Observe porém, que, em sua obra, Atkins não apregoa o consumo apenas de carne, bem como não apregoa que se coma apenas proteínas. Quem leu o seu livro percebeu que, por se tratar de uma dieta qualitativa, e não quantitativa, o que se postula é o consumo  daqueles carboidratos presentes em vegetais, buscando uma alimentação mais saudável e deixando de lado alimentos que não trazem benefícios à saúde, seja pela quantidade exorbitante de açúcar ou pelo excesso de elementos próprios da industrialização (como ocorre no que diz com conservantes, corantes, estabilizantes, etc.)

Como o site da Atkins Diet possui apenas receitas em inglês, e muitos dos ingredientes não são acessíveis ainda no Brasil, senti muita dificuldade no início da minha “peregrinação”.

Todavia, há alguns anos tenho adaptado e até  desenvolvido algumas receitas low carb e hoje, tenho encontrado, felizmente, muitos blogs e pessoas dispostas a passar também seu conhecimento e suas receitas a diante, o que me estimula a continuar nessa reeducação alimentar, que, confesso, já interrompi algumas vezes.

Estou em indução novamente, esta é a primeira fase desse novo modo de viver e pretendo aqui deixar algumas das minhas “experiências” culinárias para que possa servir, quem sabe, como uma fonte de pesquisa e auxílio a todos que pretendem seguir essa jornada.